Translate this blog!

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Desconstruindo leituras (19)

Oi, queridos e queridas!

A Dança do Ventre é tão maravilhosa, que ela pode ser repensada, reinventada, recriada e gerar excelentes produtos. Já vimos muitas fusões mal feitas (assunto que, eventualmente, volta a ser discutido), mas quantas apresentações diferentes e incríveis já presenciamos? Mas, para realizar uma apresentação diferente, usando a Dança do Ventre como principal linguagem, vai depender quase exclusivamente de você; sua criatividade, referências, técnica e, um pouquinho de orientação, claro.

Adrielli é uma bailarina que, desde sempre, usa uma linguagem mais moderna em suas performances. Mas, dessa vez, ela foi plena, segura e inspiradora:


Bauce kabira,
Hanna Aisha

segunda-feira, 6 de março de 2017

Zay el hawa

"Parece com o amor"
Intérprete: Abdel Halim Hafez
Música: Baligh Hamdi
Letra: Mohamad Hamzi

"Zay el hawa" pode ser traduzido como "Como o vento" ou "Como o amor", tem duplo sentido. Mas quando você lê a letra, entende as duas palavras acabam se encaixando, apesar de "amor" caber mais na interpretação.

Abdel Halim era conhecido como  "el andaleeb al asmar", o rouxinol moreno. Suas músicas influenciaram muito a vida e revolução egípcias e foi apadrinhado por Mohamed Abdel. Uma curiosidade: ele tinha esquistossome, uma doença negligenciada, muito comum aqui no Brasil também.


Uma das inúmeras coisas que Abdel era, uma delas, era maestro. Isso fica claro nesse vídeo dele, onde ele comanda a introdução da música:


Aqui, uma interpretação feita pela cantora egípcia Dina Hayek:


Existem muitas versões dessa música; você, com certeza, já cruzou com alguma delas. Costumamos dançar apenas a introdução e o início da letra. Aqui, a tradução dela para o inglês. Aqui, uma interpretação dançada da música por Luna of Cairo (em 6:43, o vídeo se repete):

Fonte: Revista Shimmie ano 04, no. 21

Bauce kabira,
Hanna Aisha

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Dança do Ventre na mídia

Olá, gente!

Iremos tratar aqui de um post, mais ou menos, polêmico: DV na mídia.

Qual bailarina profissional de DV não quer uma chance, que seja de segundos, de aparecer na telinha, em uma novela ou programa famoso? Uma legião de bailarinas tiveram a oportunidade de dançar na novela "O Clone", da Rede Globo, no ano de 2001. Aliás, é INEGÁVEL que a DV tem o nível e o mercado que tem hoje por conta dessa novela. Eu era aluna há um ano e fiquei impressionada com o furor que a novela causou na profissão, de forma irreversível.

Depois disso, outras inúmeras aparições de bailarinas profissionais foram realizadas, em diversos canais diferentes de TV, com ou sem entrevista (aqui nesse link do Central da DV, tem uma série de programas em que a DV foi destaque em programas de TV no Brasil. Vale dar uma olhada!). Eu mesma, tive a oportunidade de aparecer em dois programas: o primeiro em 2008, no "Fantástico" da Rede Globo, onde falamos sobre barriga em DV (!):


A outra aparição foi em 2012, na Rede Record, com a nadadora Daynara de Paula, classificada para as Olimpíadas de Londres e que já tinha feito DV:


Há alguns anos atrás, rolou uma polêmica sobre a aparição de bailarinas de DV em uma despedida de solteiro na novela "Avenida Brasil" da Rede Globo e foi fofoca no Facebook por alguns dias, gerando posts em blogs:



Eu tenho que concordar com esse trecho que a Amar El Binnaz escreveu no post dela:

"O fato é que o estereótipo vende. O jogador de futebol ingênuo e burro, a personal trainer que sobe a calcinha até o cérebro antes de dar aulas, a mulher que pratica dança do ventre pra "pegar homem", a enfermeira particular que mata o patrão pra ficar com o dinheiro, o policial corrupto, o professor pegador, enfim... o estoque de atrocidades que a TV pode praticar com as mais diversas profissões é infinito"

Infelizmente, todas nós já nos submetemos em situações ruins, justamente por conta desse estereótipo. A recém-extinta "Sala de Dança" fez um podcast sobre isso chamado "Micos na Dança".

Então, onde ficamos nessa história? Apesar de, ainda, os contratantes/produtores insistirem em nos colocar em papéis um pouco fora da realidade, hoje em dia, ainda existe uma parcela deles que procura olhar nosso trabalho com valor. O ideal é, tentarmos saber, por antecipação, qual será a situação exata de trabalho, para decidir se você aceitará participar ou não.

Em 2012, fui contactada pela Rede Globo, para coordenar a Dança do Ventre na novela "Salve Jorge" por conta do meu post "Dança do Ventre Turca", mas a carioca Clara Sussekind, que dança na Turquia há muitos anos, acabou coordenando-a com maestria.

Recentemente, duas aparições na TV foram interessantes: a coordenação da cultura árabe da minissérie "Dois Irmãos" da Rede Globo por Cristina Antoniadis (SP) e Tufic Nabak (MG), com ajuda da Elaine Rollemberg (RJ) e a participação, com prêmio, das bailarinas cariocas Zahra Li e Priscila Samah no programa "Legendários" da Rede Record:


Parabéns a todas nós, profissionais da DV no Brasil, que ganhamos com a popularização dessa dança que tanto amamos! Vamos ajudar a construir uma imagem dela cada vez melhor!

Bauce kabira,
Hanna Aisha
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...